Transição de atleta para trabalhar no futebol fora das 4 linhas

Por Wantuir - Publicado em 10 de Abril de 2019
Atualizado em 10 de Abril de 2019 às 17:02:00

O número de atletas que conseguem atuar de forma profissional no futebol é bem pequeno em relação ao número de jogadores que jogam nas categorias base. Segundo pesquisas recentes a cada 30.000 (trinta mil) atuantes na base apenas 300 (trezentos) chegam ao profissional, ou seja, apenas 1%. Vários fatores implicam nesse processo, sejam técnicos, físicos, psicológicos entre outros. Mas o trabalho no futebol não limita apenas ao que acontece dentro das 4 linhas.

Nos últimos anos o Guarani vem trabalhando no desenvolvimento de profissionais da cidade que tem o interesse de trabalhar com futebol e já recebe atletas da sua base que passam por essa transição.

Júlio César é um dos exemplos, goleiro da base do Bugre foi atleta no profissional por dois anos, participando do grupo campeão do Módulo II em 2018 e logo após a conquista entendendo que seria o momento inscreveu-se no vestibular sendo aprovado em Educação Física e passou a atuar dentro do clube nas comissões de base, ainda em 2018 trabalhou na preparação do goleiro João Victor para Taça BH, o atleta foi destaque na competição e se transferiu para o Paraná Clube.

Com 19 anos Júlio atuou como auxiliar do Preparador Ronaldo Gontijo no profissional em 2019  e mantém o trabalho com os goleiros da escolinha e base do Guarani, "Está sendo uma experiência muito bacana! Estou enxergando o futebol de maneira diferente e acho  a questão da postura tanto dentro e fora de campo me fez amadurecer muito" Júlio César.

#AvanteBugre #BaseForte
 

Guarani Esporte Clube

Divinópolis - MG

© 2019 | Direitos reservados